5.4.14

Eu li: Extraordinário, de R.J. Palacio

|| ||
Hello, dears! (⌒▽⌒) Vocês estão bem? Eu sim, apesar de estar meio triste porque um ator "felomenal", José Wilker, faleceu. Mas gente, percebi que o OD completou 40.000 (40.145, pra ser mais exata) visualizações, obrigada! :')
Acho que eu nunca havia falado sobre algum livro aqui no OD, mas recentemente eu terminei de ler um que meu Deus, eu senti necessidade de falar, haha! Eu pretendia fazer uma resenha, mas eu sou péssima em coisas assim, sempre acabo dando muito spoiler e tal, então não. Enfim, let's go! 

Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade.. até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.
"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo." — Auggie
"A editora acertou em cheio ao trazer para o Brasil um livro que comoveu várias pessoas lá fora, com o título de Wonder. Acredito que a tradução do nome foi acertada aqui no Brasil, pois August é realmente extraordinário, um garoto admirável para sua pouca idade. Tão inteligente e sarcástico, porém, nascido com um rosto disforme de forma a causar espanto por onde passa, seja em crianças ou em adultos. A narrativa gira em torno do problema de August, que está tentando adaptar-se pela primeira vez à um ambiente escolar, já que até então, era ensinado em casa - uma forma de proteção de seus carinhosos pais. Como temos conhecimento, as crianças sabem ser cruéis quando querem, e o fazem até com naturalidade e espontaneidade, que são até próprios da idade. De qualquer forma, o grande acerto da autora foi a narrativa de diversos pontos de vista. Temos, claro, primeiramente August, e quase senti na pele o desprezo de seus colegas e assombro até dos próprios adultos (que tentam disfarçar) mediante sua deficiência. Temos em seguida a narrativa singela de Via (Olivia), sua irmã mais velha, que é super protetora. Pelos olhos de Auggie a vemos praticamente como uma heroína, e pelos olhos da mesma, percebemos como é estar na pele de filha deixada um pouco de lado pelos pais por August demandar tanto tempo em suas necessidades (tratamentos e afins). Seus sentimentos são compreensíveis e humanos. É realmente comovente. Temos também a narrativa do ponto de vista de Summer e Jack, maiores amigos que August faz na escola; Justin, namorado de Olivia; e finalmente, Miranda, amiga de Olivia. Todos, de alguma forma, tem algo a dizer sobre August e sua família. E com julgamentos ou não, vemos seus pontos, sentimos os seus sentimentos. É tão inerente do ser humano criticar algo que não é do seu dia-a-dia, e ao mesmo tempo, ser hipócrita com certas situações, que realmente a mensagem do livro é um 'tapa na cara' que vem em momentos distintos. Extraordinário não deixa de ser um sopro de esperança e passa a mensagem que todos devemos um dia ouvir. Um dos professores de August na escola passa como tarefa para os alunos escrever certos preceitos, e alguns realmente são para guardar para a vida!" — Lygia Netto


Minha opinião: Como não me encantar pelo Auggie, pelo livro? Eu achei tudo tão perfeito, tão comovente.. eu fiquei impressionada com tudo, com a coragem de cada um dos personagens, simplesmente tudo! Eu não nasci com a síndrome do Auggie e não conheço ninguém que a tenha, então, nesse sentido, ele é diferente de todas as pessoas que já conheci até hoje. Mesmo assim, em praticamente todo o resto, ele é igual a qualquer outra criança no mundo. Assim como a R.J., eu sempre admirei quem consegue se erguer com o próprio esforço e seguir em frente; e amo a coragem do Auggie².. é, eu penso do mesmo jeito que a autora do livro, mas fazer o quê, é a verdade, não? haha O livro é simplesmente perfeito, te prende, é uma leitura maravilhosa, divertida e comovente²; é um daqueles livros que você chega a ficar triste quando lê a última frase. *-*

Mas a única pergunta que eu tenho a fazer é: quando é que farão um filme extraordinário e "felomenal" baseado nesse livro? ♥

"Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil." — Dr. Wayne W. Dyer

2 comentários:

  1. Os atores bons estão morrendo por serem mais velhos ;-; Parabéns moça!

    Essa resenha me fez querer ler, mais um livro pra minha booklist u.u

    ~ xoxo,
    http://f-olks.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hai T^T
      Arigatô :3
      Ai mds, que bom u3u Esse livro é ótimo demais! *u*
      Beijos! :*

      Excluir